Blog do Editor | Publicado em: 21/07/2017 07:45:00

Estudo desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) apresentou um framework que proporciona a possibilidade de crianças criarem seus próprios games.

Intitulado de "Eu Fiz Meu Game", o framework, desenvolvido por Adriana Gomes Alves, professora do curso de Ciência da Computação e Design de Jogos Digitais, da Univali, em sua tese para o Doutorado em Educação, também na Univali, define uma metodologia pedagógica e tecnológica que tem por base o uso de técnicas de desenvolvimento de jogos digitais aliadas a técnicas pedagógicas de produção colaborativa em que crianças compartilham experiências de uso e criação de jogos.

A aplicação também foi fruto de pesquisa de Karla Demonti Passsos Cathcart, que, em sua tese para o Doutorado em Educação da Univali, observou que a colaboração inter pares no processo mediado de criação de jogos digitais, por meio da metodologia estabelecida por Adriana, possibilita que as crianças aprendam significados, comportamentos e tecnologias complexas e que contribuem para a inclusão escolar.

Ambos os estudos foram orientados pela professora e pesquisadora Regina Célia Linhares Hostins, e aplicado na Escola Básica Gaspar da Costa Morais, em Itajaí.

O trabalho contou com a participação ativa de quatro crianças de nove anos. Uma delas com deficiência intelectual e outra com autismo associado à deficiência intelectual. Participaram, ainda, alunos dos cursos de Engenharia de Computação, Ciência da Computação e Design de Jogos e Entretenimento Digital, da Univali.

Durante seis meses o grupo trabalhou de forma colaborativa e mediada, usando o sistema desenvolvido, possibilitando a participação das crianças em todas as etapas de concepção e produção de um jogo digital de plataforma e puzzle, que aborda a criação de brinquedos a partir de objetos recicláveis.

Ele foi batizado de "Brinquedos que criam vida" e está disponível para download, no Google Play, para celulares com sistema Android, ou para computadores com sistema Windows.

Segundo a pesquisadora Adriana Alves, os resultados de sua pesquisa sustentam que o processo mediado por instrumentos, signos, pessoas com diferentes níveis de experiências e pautado na colaboração, possibilita e contribui para que as crianças passem de usuárias a criadoras de jogos, explorando atividades intelectuais e afetivas de negociação, elaboração de hipóteses, desenvolvimento de ideias, análise de resultados e interação.

Além disso, complementarmente, o uso da abordagem demonstrou reforçar o controle consciente do comportamento, atenção e memória voluntária, memorização ativa, pensamento abstrato, raciocínio dedutivo e capacidade de planejamento: "A pesquisa aponta que a construção em grupo e mediada de jogos digitais, determinada pelas construções intelectuais simbólicas coletivas e colaborativas de aprendizagem, contribui significativamente para o desenvolvimento individual das funções psicológicas superiores", conclui Karla Cathcart.

Mais informações (47) 3341-7544




Veja lados positivo e negativo das melhores empresas para trabalhar em SC
Cervejaria Barra Sul terá fábrica em Balneário Camboriú
UDESC divulga guia com fontes de recursos para projetos
SCGÁS diz que mudança na Lei do Gás vai elevar preços
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |